Segundo a tese de Heráclito (filósofo Grego), nada existe de estável e definitivo na natureza; tudo muda continuamente – daí, pode-se dizer que não nos banhamos duas vezes no mesmo rio.

Cada coisa é e não é, ao mesmo tempo. Todo o universo está submetido a um eterno fluir e a vida requer contradição, antagonismo, guerra. Nós mesmos somos e não somos, porque existir, viver, significa tornar-se, ou seja, mudar a própria condição atual por uma outra.

Cada coisa está submetida ao tempo e a transformações infinitas: não há nada no mundo verdadeiramente estático e mesmo o que parece parado ou constante é na realidade mutável, como a água do rio.

Em resumo: o ser das coisas é o seu devir.

Assista este vídeo indicado por meu amigo Daniel (Nuna)